Dica de Viagem Döhler

MARROCOS, TERRA DE CHEIROS E CORES

Localizado no noroeste da África, o Marrocos é um país cheio de história, cultura e provérbios. Em meio a mares, desertos e muitos souks (mercados de rua), o país revela sons, cheiros e imagens únicas e experiências inesquecíveis. E foi exatamente essa imensidão de cores e sensações que inspirou muitas peças da Coleção O Melhor de Mim, da Döhler.

Conheça um pouco dessa cultura e encante-se você também!IMG-01

Quem pensa que o Marrocos se resume ao Deserto do Saara está muito enganado. O país ostenta uma ampla diversidade de paisagens naturais e belas cidades imperiais de cultura muçulmana. Esse exótico reino recebe turistas do mundo inteiro e virou destino de brasileiros por causa de suas cores e artes. A hospitalidade é marca registrada do povo marroquino, assim como sua gastronomia típica e suas medinas, mesquitas e seus palácios.

Se você quer um roteiro mágico no melhor estilo “As Mil e Uma Noites”, as cidades de Marrakech, Fez, Casablanca e a capital Rabat são paradas obrigatórias. Ricas em histórias e lendas, elas representam em cada detalhe a cultura do país. Nessas cidades estão as medinas mais famosas, que são cidades antigas que ficam dentro de uma muralha.

IMG-02

As medinas são uma confusão de cores, cheiros e ruídos que se misturam, com um ritmo vibrante com que é impossível não se encantar.
Quer garantir aquela recordação?
Reserve espaço na mala para as cerâmicas e os tapetes e vá sabendo que negociar é a alma do negócio. Muitas coisas não têm preço ou os preços são exorbitantes, pois é aí que começa a barganha. Você pergunta quanto é, quando eles derem um valor, comece a pechinchar, mas não faça propostas inviáveis – a conversa flui quando o negócio fica bom para os dois lados.

QUANDO IR

O clima no Marrocos varia muito de acordo com a região e a estação do ano. No verão, entre maio e setembro, as temperaturas condizem com um verdadeiro deserto, chegando a 40º graus. No inverno, principalmente apresentam temperaturas médias, mas nas montanhas do Rif costuma até nevar. Então, a melhor época para visitar o reino marroquino é na primavera, entre março e maio, quando há muito verde e a temperatura está mais amena. Porém, em janeiro o custo-benefício é melhor, pois é baixa temporada e tudo fica mais barato. Há quem diga que o clima nessa época é o melhor do ano.

IMG-03

 

Curiosidades

IMG-04

Hora do chá

O hábito de beber chá está enraizado na cultura marroquina e é muito mais do que uma bebida. Ele tem todo um significado e um ritual ao qual os visitantes não podem ficar indiferentes. Inclusive, não recuse se alguém te oferecer um chá na loja, no hotel ou até na rua, pois pode ser considerado uma ofensa.

Cuscuz

Esse é o prato mais famoso do Marrocos. Todos as famílias marroquinas comem cuscuz às sextas-feiras ou em qualquer dia de celebração. Ou seja, se você for convidado para comer em casa de marroquinos, o prato servido com certeza será cuscuz.

Mesquitas

IMG-05

Não peça para entrar nas mesquitas, exceto nas poucas que permitem a entrada de turistas e cobram por isso. Quem não é muçulmano não pode entrar, eles estão ali para rezar e não querem ser atrapalhados por turistas curiosos.

Hora da reza

No Marrocos, 99% das pessoas são muçulmanas e, em sua grande maioria, adeptos do Islã, com o hábito de rezar cinco vezes por dia – antes do sol nascer, ao meio-dia, durante a tarde, depois do pôr do sol e à noite. Você vai encontrar muitos marroquinos rezando nas ruas, no meio da calçada, em seus tapetes. Então não atrapalhe e nem tire fotos!

No photo

Falando nisso, na hora de tirar fotos pela cidade, verifique se não tem nenhum policial por perto, especialmente nas entradas dos palácios do rei ou em locais que pertençam ao governo. Eles podem pedir até para você apagar a foto.

Visto

Não é necessário visto para entrar no Marrocos, apenas passaporte, e você pode permanecer no país por até 90 dias. Mas certifique-se da data de expiração do seu passaporte, que deve ter pelo menos 6 meses de validade.

Gastronomia, uma atração à parte

Cuscuz Marroquino com Vegetais

IMG-06--Gastronomia-Marrocos-Dohler

Com temperos e ervas aromáticas, a milenar culinária marroquina é conhecida no mundo inteiro pela diversidade, pela criatividade e pelo exotismo. É a união de sabores que faz a cozinha marroquina ser tão especial e desejada. Especiarias, como canela, cominho, gengibre, gergelim, açafrão e pimenta-preta, são usadas em abundância, resultando em refeições perfumadas e atraentes. O cuscuz, conhecido dos brasileiros, é preparado em diferentes versões, de acordo com a região do país. Ele é a base de grande parte dos pratos típicos marroquinos e pode ser feito com legumes, carne, peixe, frutos secos, etc. Quer aprender como preparar essa iguaria cheia de cores e temperos?

Vamos lá:

INGREDIENTES

  • Azeite
  • ½ cenoura
  • ½ abobrinha
  • ½ berinjela
  • 80 g de cogumelos frescos
  • ½ pimentão vermelho
  • ½ pimentão verde
  • 100 g de brócolis
  • 1 cebola
  • 2 dentes de alho
  • Sal e pimenta
  • Coentro
  • 1 xícara de cuscuz
  • Caldo de legumes

MODO DE PREPARO

  • Primeiro, corte a cenoura, a abobrinha, a berinjela, os brócolis e os pimentões em cubos ou pedaços pequenos. Os cogumelos frescos devem ser laminados.
  • Pique a cebola e o alho e junte todos os vegetais em uma panela com azeite até ficarem dourados. Tempere com sal. Não cozinhe demais os legumes para não perderem o líquido. No final tempere com coentro fresco.
  • Em outro recipiente, coloque o caldo de legumes, quando estiver fervendo, desligue e adicione o cuscuz. É com esse calor que o cuscuz deve ser feito, sem estar ligado diretamente ao fogo. Cerca de 10 a 15 minutos e o cuscuz está pronto. Sirva o cuscuz e adicione os vegetais por cima.